Robótica espacial
vamos construir um rover?
Plataforma de ensino 3D
com simulações realistas
Design, prototipagem
programação, mecânica, elétrica
Método self-learning
com aulas gameficadas
Conheça os seus assistentes
de projeto, a Kate e o robô K4T-3

Galáxia de Gutemberg

Nossa mente tem uma capacidade infinita. É incrível que uma máquina tão pequena, tenha uma capacidade gigante de memória e processamento. Nosso servidor central. Veloz. Com vários núcleos. Mais de 86 bilhões de neurônios.

Uma arquitetura complexa, dinâmica, um sistema de decodificação constante. O cérebro humano pesa cerca de 1.200 gramas. O encéfalo 1500. O cérebro representa apenas 2% da nossa massa corporal. Consome, no entanto, mais de 20% do nosso oxigênio. Mas, todos sabemos que usamos, ainda, uma parcela muito pequena desse poderoso computador, que temos abaixo dos cabelos.

Dito isto, podemos prosseguir: Imaginemos uma criança, um jovem, que cria um game.
Sabe o que acontece, durante este processo?
Ele não cria, apenas, um game. O aprendizado vai muito além, pois, mais do que tudo, bem mais do que as técnicas aprendidas, o ganho maior, certamente, é a capacidade que ele passa a ter de pensar em “camadas”.

Visão espacial

Uma geometria expandida,
que se reflete, também,
no plano das ideias.

Design, como pensamento

Uma nova concepção,
que ajuda os alunos,
com ideias 360 graus

Novas plataformas

Apps e softwares,
mais fluidos,
Interfaces orgânicas.

Dito isto, podemos prosseguir: Imaginemos uma criança, um jovem, que cria um game.

Sabe o que acontece, durante este processo?

Ele não cria, apenas, um game. O aprendizado vai muito além, pois, mais do que tudo, bem mais do que as técnicas aprendidas, o ganho maior, certamente, é a capacidade que ele passa a ter de pensar em “camadas”.

Visão espacial

Uma geometria expandida,
que se reflete, também,
no plano das ideias.

Design, como pensamento

Uma nova concepção,
que ajuda os alunos,
com ideias 360 graus

Novas plataformas

Apps e softwares,
mais fluidos,
Interfaces orgânicas.

A visão de imaginar e desenvolver projetos dos alunos, se amplia. Sua noção de espacialidade ganha outras dimensões. Seu raciocínio adquire novos parâmetros. As ferramentas digitais oferecem essa possibilidade de ver e pensar, em mais dimensões. Conseguir enxergar a peça de um motor em funcionamento, por dentro, por baixo, de lado. Rotacioná-la, acionar uma visão expandida, habilitar e desabilitar os layers dessa peça, são processos que treinam um “novo olhar” . Bem vindo ao século XXI!

A visão de imaginar e desenvolver projetos dos alunos, se amplia. Sua noção de espacialidade ganha outras dimensões. Seu raciocínio adquire novos parâmetros. As ferramentas digitais oferecem essa possibilidade de ver e pensar, em mais dimensões. Conseguir enxergar a peça de um motor em funcionamento, por dentro, por baixo, de lado. Rotacioná-la, acionar uma visão expandida, habilitar e desabilitar os layers dessa peça, são processos que treinam um “novo olhar” . Bem vindo ao século XXI!

Novo posicionamento

Uma mudança considerável na forma de ver o mundo e conceber projetos, é romper com a limitação do tempo e espaço.

Além do horizonte

É importante conceber um projeto, um dever de casa, uma ideia, seja qual for, de forma mais espacial. Isto significa Ir além dos limites de um caderno com linhas pautadas, a caneta esferográfica, o quadro negro, o mundo estampado, apenas, em duas dimensões. Não basta projetar em 3D, é preciso pensar 3D.

Use a intuição

Cada vez mais presente no dia-a-dia, a realidade virtual e a realidade aumentada, trarão essa nova visão espacial. Isso faz parte do que chamamos de Digital Thinking, que quando bem incorporado, faz com descubramos a terceira dimensão dos objetos à nossa volta. Isso é bem mais importante do que se possa imaginar.
Vai mudar tudo, tudo.

Design no pensar

É um processo que fomenta novas ideias, e intensifica, também, a forma que temos de conceber, de organizar e desenvolver projetos. Incorporar uma visão de design ao pensamento, provoca uma rearrumação dos sentidos. Passamos a pensar diferente, de forma espacial e progressiva. Interfaces gráficas mais fluidas e orgânicas, como os tablets, com uso da caneta digital, ajudam a produzir rascunhos, documentos, gráficos e roadmaps mais “amigáveis”, mais intuitivos. Temos que usar a tecnologia a nosso favor. Outras técnicas. Outras possibilidades.

Quando um aluno cria um robô, ele passa a entender melhor a relação de causa e efeito, da programação, automação e da chamada internet das coisas. E mesmo os objetos à nossa volta, os eletrodomésticos, os gadgets, que mal sabemos como funcionam, passam a ser vistos de outra forma. Isso, tudo isso, é inovação.

Quando um aluno cria um robô, ele passa a entender melhor a relação de causa e efeito, da programação, automação e da chamada internet das coisas. E mesmo os objetos à nossa volta, os eletrodomésticos, os gadgets, que mal sabemos como funcionam, passam a ser vistos de outra forma. Isso, tudo isso, é inovação.

Um caminho para o futuro

Inscrição, teste de avaliação

Indicação de cursos, de acordo com as habilidades demonstradas

Escolha de curso, matrícula

Campus Virtual, as mais avançadas ferramentas e recursos

Tutorial da plataforma de self-learning

Aulas on-line, com cenários virtuais 3D

Ambiente de curso gameficado

Easy-to-use design, gráficos e ferramentas

Tele aulas com profissionais do mercado

Resumos de módulos facilitados

Testes ao final de cada módulo

Mentores e instrutores on-line

Lives especiais e temáticas

Innovation labs, da teoria à pratica

Teste final do curso

Certificação BeByte